Notas Expressas

Tivemos um enxugamento do nosso corpo de repórteres, mas estamos, aos poucos, retomando o ritmo de publicação de matérias.
(atualizado em 20 de outubro de 2007)


quarta-feira, 20 de setembro de 2006

Coluna - Futebol

O Estado sou eu!
por Vitor Matos

Quando Homero ― que Zeus o tenha ― imortalizou na Odisséia os percalços de Ulisses na volta para Ítaca, deixou na História uma mensagem bem clara: os homens precisam ter cuidado com a soberba. Porque o grande gênio de Tróia, pai e mentor do famoso cavalo do pau oco, depois de ganhar a guerra, julgou-se mais importante que a importância. Ousou alçar-se acima dos deuses e até desafiá-los. Deu no que deu. No retorno ao lar, Ulisses teve que comer o pão que Hades amassou.

Alguns pares de anos mais tarde. O São Paulo, campeão da Libertadores de 2005, disputa contra o Boca, campeão da Sul-americana de 2005, o título da Recopa Continental. O empate por 2x2 no Morumbi dá o título aos argentinos, que em Buenos Aires tinham ganhado por 2x1. Tudo certo. Mas, na hora da premiação, entra em cena a figura magnânima de Rogério Ceni, ídolo da torcida tricolor. O mesmo Ceni que não exprime um sorriso ao saber que foi convocado pra Copa. O mesmo Ceni que não esboça um traço de remorso após falhar na final da Libertadores, em Porto Alegre. O Ceni cheio de si. Pois na quinta última, ao receber a medalha de segundo colocado que lhe cabia, tratou de jogá-la pra longe. Mostrou pra medalha o tanto que ela era indigna dele. Eu sou o São Paulo. Eu sou o futebol. E Luís XV, o rei sol, faz escola.

Ronaldo ― será que ele já viu o novo vídeo da Cicarelli? ― é outro que exala empáfia. Chegou mesmo a dizer, em entrevista pro Esporte Espetacular, domingo passado, que se não voltar a ser o número um do mundo, dará um tiro na própria cabeça. Oh! ( Será que na Espanha, como na China, é a família que paga a bala?). De qualquer modo, ele já está dizendo por aí que não foi bem assim, que a expressão foi usada em sentido meio metafórico. Pronto. Deu pra poeta, o rapaz.

O sucesso embaralha a cabeça dos astros. Eles viram reféns dos seus próprios mitos. Acreditam, sinceramente, pairarem acima do resto da espécie. Lamentável. Todavia, compreensível. É preciso muito equilíbrio para escapar das garras da soberba. Eu mesmo, do baixo da minha humildade, começo a sentir um peso diferente sobre as costas. Acontece que, nas últimas semanas, tenho recebido mensagens de pessoas que dizem gostar dessa coluna. Extraordinário! E eu jurava que ninguém a lia! Sinto-me como se me tivessem dito: “Parabéns, são trigêmeos”; ou ainda: “Senhor Vítor, Liv Tyler o espera na piscina”. Tio Ben dizia que com grandes poderes vêm grandes responsabilidades. Agora que tenho leitores, preciso me esforçar para não decepcioná-los.

Como não deixar os elogios fazerem comigo o que fizeram com Rogério e Ronaldo? Inspirarei-me no exemplo de Obina, centroavante do Flamengo. Obina é um personagem quase folclórico. Alterna momento medonhos com lampejos de pura maestria. No domingo, contra o Fortaleza, marcou três gols na vitória rubro-negra por 4x3. A torcida o adora. Há um grito, entoado no Maracanã, em que a massa flamenguista canta que o Obina é melhor que o Eto’o, goleador do Barcelona. E o Obina diante de tudo isso?Humildade pura. Pouco depois de ter marcado um gol na final da Copa do Brasil, ele foi inquirido quanto ao seu excesso de peso. “É, preciso maneirar nos acarajés”. Preciso maneirar nos acarajés! Sensacional! Enquanto outros atacantes, quando perguntados sobre gordura, preferem sugerir que o presidente da república é um beberrão. A diferença está aí: um, acarajé; o outro, presidente. No final, são tudo lulas e camarões nesse país.

P.S.1: Estamos entrando na primavera. Na época em que o Sistema Solar tinha nove planetas, isso significava que começava a estação das flores. Agora, não sei o que nos espera.

P.S.2: Janete, Alessandra, Iziane & cia. jogam partida decisiva hoje à tarde pelas quartas de final do Mundial. Contudo, independente de como termine nossa seleção, esse torneio já foi importante pra uma descoberta: o Galvão entende muito também de basquete

6 comentários:

Ana Paula disse...

Oiii Vítor!!! Pois é, já que vc falou de seus leitores na coluna, resolvi comentar! Gosto muito de seus textos e, de fato, acredito que você está cada dia melhor nisso! Adoro seu tom irônico e metafórico! Continue por esse caminho que você vai longe! Bju grande! Parabéns!

Cristiano Zaia disse...

Texto genial rapaz. Muito bom! Cada dia melhor, esses dias até lhe cumprimentei por esses verdadeiros exemplos de como escrever sobre um tema tão mediocramente analisado por grande parte dos profissionais da área. Ironias recheadas com grandes citações que fazem de seus textos leves dissertações de como o futebol é mais do que muita gente pensa. Mas como bem lembrou, humildade é sempre bom, afinal de contas seus leitores estão crescendo, hehehe.

André Souza disse...

Chega de elogios. As críticas agora, que inclusive servirão para que possa "escapar das garras da soberba".

"E Luís XV, o rei sol, faz escola" - É o monarca errado.

"Obina é um personagem quase folclórico" - o "quase" está sobrando.

E viva o Obina!

Topão disse...

Belíssima coluna. Afinal, como já dizia Anacleto Moscoso, Rogerio Ceni de c* é rola. Nunca confie num goleiro metido a artilheiro.

Guilherme Rocha disse...

Eu sou um grande admirador do Vítor. Os textos dele realmente são muito bons e considero este um dos melhores.

Concordo com a crítica feita ao Rogério Ceni quanto à medalha da Recopa. Concordo que Rogério Ceni deveria falar mais quando o São Paulo perde um título.

Porém, devemos esclarecer algumas coisas:
1) Rogério assumiu toda a culpa pela falha na final da Libertadores.
2) Rogério e Parreira/Zagallo tinham diferenças pessoais. Numa determinada convocação, a alguns anos, todos os jogadores combinaram de raspar a cabeça ("ordens" do presidente Ronaldo e do Ministro da Palhaçada Roberto Carlos, cujo futebol admirei enquanto eram jovens)e Ceni não quis raspar. Foi visto como o que queria ser diferente dos demais e pagou por isso.

Saiba quem lê esta coluna e seus comentários q não sou o mais isento para falar de Rogério, pois sou seu admirador.

E, como colunas são espaços opinativos, Vítor pode falar o que quiser. Pena que ele fale mal dos jogadores só porque seu santo não bateu com os dos deles. Vítor não gosta de Rogério e de Ronaldo por não gostar e pronto.

Marcelo disse...

Rogério Ceni pode ter sua qualidade como goleiro, mas isso não justifica de forma alguma determinadas atitudes que ele toma. Como bem diz o texto, o (ex)bom futebol de Ronaldo não o habilita a criticar o mais alto cargo executivo do país como fez.

Mesma coisa para o arqueiro do São Paulo. Não foi a primeira vez que Ceni agiu com impulsividade e sem um comedimento que fizesse jus à sua qualidade técnica. Se considerarmos que a única exigência que pode ser feita de um jogador seja sua qualidade técnica, porque tantos criticam Maradona?