Notas Expressas

Tivemos um enxugamento do nosso corpo de repórteres, mas estamos, aos poucos, retomando o ritmo de publicação de matérias.
(atualizado em 20 de outubro de 2007)


domingo, 8 de abril de 2007

Editorial 2

É preciso maturidade

O atentado na Casa dos Estudantes Universitários (CEU) não pode ser visto apenas como ato criminoso qualquer, se é que algum pode; pior, em nenhuma hipótese deve ser atenuado pela inexistência de mortes, argumento principal do discurso de uns e outros. Valer-se disso como instrumento para fazer apologia a atitudes insanas é deveras repugnante. Talvez a sociedade brasileira ainda não tenha dimensão completa da questão étnico-racial na UnB e, por esse motivo, não é tão sensibilizada quanto à comunidade acadêmica. Os meios de comunicação não conseguem ensejar o debate no social em curto prazo. Resta, no mínimo, discutir seriamente o problema dentro da Universidade. Entretanto, pelo caminhar dos fatos, fica claríssimo que isso não está sendo feito.

Na quarta-feira passada, dia 4, às 12h, ocorria no Ceubinho uma Assembléia de estudantes. O foco estava voltado para a falta de infra-estrutura na CEU. Repentinamente, chegou um carro de som da Associação dos Servidores da Fundação Universidade de Brasília (ASFUB). Nele, representantes do Diretório Central dos Estudantes (DCE) e da União Nacional dos Estudantes (UNE) reprovavam veementemente a manifestação e conclamavam todos para participarem de um ato na Reitoria, que seria realizado no mesmo momento. O incidente foi marcado por brigas e reinou a confusão.

É patente o clima de animosidade existente entre os dois grupos. A pauta reivindicativa difere em vários pontos. Casos como o de quarta revelam o quão enfraquecido fica o debate. A problemática mais premente da UnB continuará cada vez mais longe da solução enquanto o meio estudantil seguir seccionado. Suspeita-se que o racha tenha como pano de fundo divergências político-partidárias. Seja qual for o porquê, o mote étnico-racial será sempre maior. É preciso maturidade e união para debatê-lo.

2 comentários:

Anônimo disse...

Falou falou falou e não falou absolutamente nada. Se a intenção era falar da questão étnico-racial da universidade, faltou maturidade. O editorial virou um misto de artigo com notícia, mas sem foco nenhum...

André Souza disse...

Concordo com o post acima, embora ache covardia postar de forma anônima.