Notas Expressas

Tivemos um enxugamento do nosso corpo de repórteres, mas estamos, aos poucos, retomando o ritmo de publicação de matérias.
(atualizado em 20 de outubro de 2007)


terça-feira, 26 de setembro de 2006

O voto em questão

Arruda quer continuar as grandes obras e revolucionar a educação
por Ana Elisa Santana
Foto: www.arruda25.can.br


José Roberto Arruda, mineiro nascido na cidade de Itajubá, é o candidato ao Governo do Distrito Federal pelo Partido da Frente Liberal – PFL. Sua carreira pública começou em 1979, quando se tornou diretor da Novacap, cargo que ocupou até 1982. Durante as gestões dos governadores José Aparecido de Oliveira e Joaquim Roriz (de 1985 a 1990), Arruda foi diretor da Companhia Energética de Brasília (CEB).

No segundo mandato de Roriz, Arruda foi Chefe do Gabinete Civil e Chefe de obras do governo, período em que foram iniciadas as obras para a construção do metrô de Brasília. Inacabado até hoje, o metrô é alvo de muitas críticas e especulações a respeito de superfaturamento. Uma das promessas do candidato ao GDF nas eleições deste ano é dar continuidade às grandes obras que marcaram a gestão de Roriz. Em entrevista ao Blog do Cacom, questionado sobre as acusações de que essas obras poderiam ser fonte de um possível caixa dois, Arruda foi enfático: “O importante é mostrar a origem dos recursos e ter responsabilidade na aplicação dos mesmos. Quanto às denúncias de superfaturamento, elas devem ser apuradas pelo TCDF e outros órgãos competentes. Sendo constatadas, devem ser punidos os responsáveis”.

Arruda candidatou-se ao Senado nas eleições de 1994 e foi eleito em segundo lugar, com mais de 300 mil votos. Quatro anos depois, candidatou-se ao GDF, mas alcançou apenas a terceira colocação no pleito, perdendo para Cristovam Buarque e Joaquim Roriz.

Em 2001, o então senador se envolveu na violação do painel de votações do Senado – teve acesso à lista de nomes de quem havia votado contra ou a favor da cassação do ex-senador Luiz Estevão – e, para evitar sua cassação, renunciou ao cargo. Mesmo com o escândalo, candidatou-se a deputado federal nas eleições do ano seguinte e venceu a disputa como o deputado mais votado do país em termos proporcionais. “Pedi perdão por ter visto uma lista e por ter negado no primeiro momento. Creio que por tudo o que fiz de bom antes desse episódio e pela sinceridade de meu arrependimento, a população me deu uma nova chance”, afirma.

Segundo uma pesquisa do Ibope divulgada no último dia 21, o deputado seria eleito Governador do DF ainda no primeiro turno, com 54% dos votos. Além de atribuir a liderança à sua conduta e a seu passado político, Arruda também fala de seu vice, que tem o nome conhecido na região: “Claro que ter um vice como Paulo Octávio colabora para recebermos o apoio que estamos tendo nas ruas”.

O candidato diz que sua gestão será revolucionária no campo da educação pela prioridade que será dada ao setor. Em seu plano de governo estão propostas de valorizar professores, incentivar o acesso e a permanência de alunos nas escolas com bolsas-auxílio, acabar com o analfabetismo no DF e investir na educação de nível técnico. Uma das promessas que se destaca é a ampliação da UnB para cidades satélites, além das que já estão previstas. “O Plano de Expansão já existe, o que queremos é torná-lo ainda mais ambicioso, atingindo outras áreas além do Gama e Ceilândia. Queremos abrir ainda mais a instituição e colaborar, dentro das nossas possibilidades orçamentárias (e as da instituição) para que uma Universidade de Brasília aberta a todos seja possível e viável”, afirma.

Uma das marcas de sua campanha é o apoio ao ex-governador Roriz, o qual Arruda sempre demonstrou ser admirador. Recentemente foi divulgada uma gravação em que Roriz fala mal de Arruda para seu advogado, o candidato a deputado federal Eri Varela. Sobre o episódio, Arruda diz não acreditar no conteúdo das gravações. “Roriz já veio a público, repetidas vezes, manifestar seu respeito pela minha vida pública. Entre agressões veiculadas por meio de gravações clandestinas e elogios públicos, fico com a segunda opção. Mantenho o apoio de Roriz ao Senado por reconhecer no ex-governador uma importante liderança política que se fará necessária na hora de buscar recursos e defender os interesses do DF”, ressalta.

2 comentários:

André Souza disse...

OK. Poderia ter falado também sobre o excesso de promessas em sua campanha, mas está bom.

Anônimo disse...

Ufa, ainda bem que voce aprovou.