Notas Expressas

Tivemos um enxugamento do nosso corpo de repórteres, mas estamos, aos poucos, retomando o ritmo de publicação de matérias.
(atualizado em 20 de outubro de 2007)


sábado, 16 de setembro de 2006

Debate

Aspirantes ao Governo do DF se apresentam na I Semana Política da UnB
por Bárbara Rosa

A menos de vinte dias para as eleições, os candidatos ao governo do DF falaram aos estudantes da UnB sobre propostas nas áreas de saúde, segurança, educação e desenvolvimento regional, entre outros temas. Arlete Sampaio(PT), Expedido Carneiro(PCO), Fátima Passos(PSDC), Maria de Lourdes Abadia(PSDB) e Toninho(PSOL) responderam a perguntas baseadas no livro “DF em Questão”, lançado pela editora da UnB, e que foram formuladas pela ADUnB, SINTFUB, DCE e professores da universidade. Os candidatos tiveram dois minutos para responder a cada uma, sendo o som cortado após esse período de tempo.

Vaias e gritos como “Ão, ão, ão, PT é mensalão” eram pronunciados pelos estudantes que aguardavam o início do debate. O primeiro tema a ser discutido foi o desenvolvimento do DF e do entorno, e o candidato Toninho abriu o painel de respostas, seguido de Abadia, Expedito, Arlete e Fátima. O tema seguinte, infra-estrutura e serviços urbanos para o DF, despertou a indignação dos estudantes com relação à candidata Maria de Lurdes Abadia. “Com relação à grilagem, para mim, é caso de polícia porque temos o grande compromisso do ordenamento urbano da cidade”, afirmou. Já Expedido Mendonça respondeu a pergunta com um discurso de cunho marxista. “O capitalismo burguês moderno beneficia diretamente o atendimento do interesse dos poderosos. Por isso, não há planejamento e as políticas públicas ficam no papel como letra morta. A voracidade do grande capital se sobrepõe aos interesses da população. Nossa proposta é clara: intervenção direta do Estado na formulação de políticas voltadas ao interesse dos trabalhadores.”

Temas de grande preocupação como educação, saúde e segurança pública também foram discutidos ao longo da apresentação e serviram para que a comunidade universitária ficasse a par das propostas dos candidatos ao governo do DF

3 comentários:

André Souza disse...

Deve ser registrado o triste comportamento de boa parte do público. Em vez de respeitar as idéias dos outros e permitir uma clara apresentação das propostas dos candidatos, muitos presentes freqüentemente atrapalhavam o andamento do debate, com vaias e gritos ofensivos. Triste comportamento, em especial de uma "torcida organizada" do PT, que quase inviabilizou o final do debate.

Marcelo disse...

"Em especial de uma 'torcida organizada do PT'..." é ver a coisa com um olhinho pouco preocupado com detalhes. Não só os militantes do PT faziam muito barulho, mas também manifestantes do P-SOL e mesmo do PSDB, que já no início do debate gritavam palavras de ordem contra a candidata Arlete Sampaio.

André Souza disse...

Realmente eu deveria ter mencionado o PSOL e o PSDB. O "em especial" que usei não exclui outros grupos, mas também os omite e os absolve. Fica registrado meu erro que, garanto, não foi de má-fé. Assim, discordo quando diz "ver a coisa com um olhinho pouco preocupado com detalhes".

O que eu queria destacar é que os militantes do PT foram quem mais atrapalhou. Não porque têm um caráter pior que os dos outros partidos (podem ter ou não, mas essa não é a questão), mas porque eram mais numerosos, bem mais numerosos. Isso ficou claro no fato de Abadia ser muito vaiada e Arlete ser mais aplaudida que vaiada.